Mittwoch, 28. März 2018

Núcleo de Estudos do marxismo-leninismo-maoismo Brasil: Estudar A Guerra Civil na França: Levantar alto a Bandeira Vermelha da Comuna de Paris


200 anos de Karl Marx

Estudar A Guerra Civil na França:
Levantar alto a Bandeira Vermelha da Comuna de Paris

Núcleo de Estudos do marxismo-leninismo-maoismo, Brasil


O que é a Comuna, esta esfinge que atormenta o espíritos burgueses?
Karl Marx

Hoje, por ocasião do aniversário de 147 anos da heroica Comuna de Paris, e como parte da Campanha Mundial de celebração dos 200 anos de nascimento do Grande Karl Marx, publicamos o este artigo. Nele destacamos o significado e importância deste grande acontecimento histórico e a necessidade de se estudar, à luz do marxismo-leninismo-maoísmo, este imperecível documento do Movimento Comunista Internacional, A Guerra Civil na França do grande Karl Marx.

Em 18 de março de 1871, a Comuna de Paris, primeira tentativa do proletariado de assaltar os céus, deu origem à primeira república operária da história. Dez dias depois da insurreição popular, o novo governo revolucionário declarava a independência da Comuna em relação ao velho poder burguês sediado em Versalhes.

Foi o heroísmo dos comunardos que, sustentando durante 71 dias, em Paris, o Poder nas mãos das massas proletárias, fez a Humanidade conhecer uma nova forma de Estado: a ditadura do proletariado.

Apesar da gloriosa luta que os trabalhadores parisienses empreenderam de armas nas mãos na defesa do Poder Proletário, enfrentando a mais brutal e sanguinária contrarrevolução, foram derrotados pelas forças militares serviçais da burguesia, dos latifundiários, dos especuladores da bolsa e de todo tipo de ladrões reunidos em Versalhes, que cercaram Paris e bombardearam-na impiedosamente, com o apoio das tropas prussianas.

O fim da Comuna de Paris em maio de 1871, longe de significar simplesmente uma derrota para a classe operária, foi um feito histórico de grande transcendência, que marcou para sempre a luta do proletariado internacional. A Comuna de Paris é o primeiro grande acontecimento do processo da Revolução Proletária Mundial e por isso, entorno da tomada de posição sobre ela e seu correto balanço, separam-se marxismo e revisionismo.

Coube à Marx, armado com a ideologia científica do proletariado, o materialismo histórico dialético, extrair os ensinamentos e o verdadeiro significado histórico desse grandioso acontecimento, expostos em seu célebre A Guerra Civil na França. Obra essa, escrita a pedido do Conselho Geral como convocação aos membros da Associação Internacional do Trabalho (AIT).

Na Introdução publicada em 1891, por ocasião dos vinte anos da Comuna de Paris, Engels, afirma que passadas duas décadas e com base em novas informações obtidas era necessário “completar um pouco” a exposição feita em Guerra Civil na França. Junto a essa importante Introdução, Engels também agrega os dois Manifestos do Conselho Geral da Associação Internacional dos Trabalhadores – AIT, sobre a Guerra Franco-Prussiana. Os três documentos citados, disponíveis em praticamente todas as edições, devem ser estudados como parte de A Guerra Civil na França.

Um entusiasta da Comuna

Alguns meses antes da revolução em Paris, no outono de 1870, Marx havia advertido ao proletariado francês de que não deveria sublevar-se prematuramente, prevendo que esta fracassaria por não contar com um Partido Comunista que a dirija. Contudo quando a sublevação se produziu, Marx, tomando firme posição de classe, a apoiou incondicionalmente, saudou ao proletariado que havia ousado “assaltar os céus”.

Quando a Comuna de Paris tomou em suas próprias mãos a direção da revolução, quando, pela primeira vez na história, simples operários se atreveram a violar o privilégio governamental de seus ‘superiores naturais’ (…) o velho mundo se retorceu em convulsões de raiva ante ao espetáculo da Bandeira Vermelha, símbolo da República do Trabalho, tremulando sobre o Hotel Le Ville” (p.79 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx)

Por meio de cartas e instruções verbais que transmitiam aos membros da AIT, Marx e Engels tratavam de orientar os comunardos, dando-lhes preciosos conselhos. Porém, suas indicações nem sempre chegavam oportunamente à Paris pois a cidade se encontrava submetida a um intenso cerco inimigo.

Além disso, os membros da Comuna, estavam divididos entre uma maioria de blanquistas que prevaleciam no Comitê Central da Guarda Nacional e uma minoria de membros da AIT, entre os quais prevaleciam os adeptos da Escola socialista de Proudhon. Engels aponta que coube aos proudhonianos a principal responsabilidade pelas medidas econômicas da Comuna, enquanto coube aos blanquistas a principal responsabilidade pelas medidas políticas.

E, em ambos casos, a ironia da história quis – como acontece geralmente quando o poder cai nas mãos dos doutrinários – que tanto uns quanto os outros fizessem o contrário do que a doutrina de sua escola respectiva prescrevia. (…) Por isso a Comuna foi a tumba da escola proudhoniana do socialismo (…) Essa escola desapareceu dos meios operários franceses e a teoria de Marx predomina sem discussão”. (Engels, Introdução. A Guerra Civil na França)

Em Guerra Civil na França Marx definiu com aguda clareza o papel destes elementos oportunistas no movimento operário, demonstrando que o movimento operário revolucionário em seu desenvolvimento contraditório e como resultado direto de sua ação, acumula o que Engels chamará de “colossal monte de lixo” que necessita ser varrido:

Em todas as revoluções ao lado dos verdadeiros revolucionários, figuram homens de outra natureza. Alguns deles, sobreviventes de revoluções passadas, que conservam sua devoção por elas, sem visão do movimento atual; porém donos todavia de sua influência sobre o povo, por sua reconhecida honradez e valentia, ou simplesmente pela força da tradição; outros, simples charlatães que, a força de repetir ano após ano as mesmas declarações estereotipadas contra o governo do dia, obtiveram por contrabando uma reputação de revolucionários de pura cepa. Depois do 18 de março saíram também à superfície homens destes, e em alguns casos lograram desempenhar papeis proeminentes. Na medida em que seu poder o permitia, entorpeceram a verdadeira ação da classe operária, o mesmo que outros de sua espécie entorpeceram o desenvolvimento de todas as revoluções anteriores. Constituem um mal inevitável; com o tempo se lhes quita os meios, porém a Comuna não pôde dispôr de tempo”.(p.86 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx)

Caráter internacionalista

A Comuna, em correspondência com seu caráter de classe proletário, demarcou desde o princípio seu caráter internacionalista, pois a “bandeira da Comuna é a bandeira da República Mundial”(p.8). Em meio ao cerco prussiano, “nomeou um operário alemão como Ministro do Trabalho (…) a Comuna honrou aos heroicos filhos da Polônia, colocando-os à cabeça dos defensores de Paris (…) e para marcar nitidamente a nova era histórica, que conscientemente inaugurava, a Comuna, ante aos olhos dos vencedores prussianos, de uma parte e do exército bonapartista por outro, pôs abaixo aquele símbolo gigantesco da glória guerreira que era a Coluna Vendome1”.

Marx sintetizou assim o dever internacionalista cumprido na Comuna: A Comuna concedeu a todos os estrangeiros a honra de morrer por uma causa imortal” (p.82 sublinhado nosso)

O heroísmo revolucionário

Em uma carta a Kugelmann, ainda quando os combates se desenvolviam em Paris, Marx destacou o papel do heroísmo e vontade inquebrantável dos comunardos, “que iniciativa histórica, que capacidade de autossacrifício demonstram estes parisienses!”, afirmando que essas refletiam “a grandeza da causa” e que graças as mesmas, a moral da classe foi elevada:

Os canalhas burgueses de Versalhes (…) plantearam ante aos parisienses a alternativa: aceitar o desafio o entregar-se sem luta. A desmoralização da classe operária neste último caso teria sido uma desgraça muito maior que o perecimento de qualquer número de ‘líderes’”. (sublinhado nosso)

Com isso Marx nos ensinou que não podermos permitir que a moral da classe seja machada, não importa quantos líderes caiam e que um alto preço tenha que ser pago. Essa preciosa lição nos serve para aplastar o novo revisionismo e sua sinistra política de acordos de paz e capitulação, ensinando que para “assaltar os céus” e fazer a revolução é preciso estar disposto a pagar a cota, que somente quem não teme ser cortado em mil pedaços, desafia o imperador”.

Continuando, Marx estabeleceu o grande papel histórico da Comuna para a Revolução Mundial. Afirmou que por ter “assaltado os céus” audaz e heroicamente a Comuna havia feito a Revolução Mundial entrar em uma “nova fase”, ou seja, com ela o proletariado inicia seu processo de luta pelo poder, entrando na etapa de defensiva estratégica2, afirma que “Graças à Comuna de Paris, a luta da classe operária contra a classe dos capitalistas e contra o Estado que representa os interesses desta entrou em uma nova fase. Seja qual for o desenlace imediato dessa vez, se conquistou um novo ponto de partida que tem importância para a história de todo mundo”3. (sublinhado nosso)

A Violência Revolucionária

A Comuna afirmou a necessidade da violência revolucionária e mostrou a força da guerra civil, estabelecendo a comprovação prática do princípio marxista segundo o qual o poder nasce do fuzil” e que “sem um exército popular, o povo nada terá4. O “fantasma que rondava a Europa”, havia se convertido em uma ameaça real.

Engels em sua Introdução, tomando a experiência da luta revolucionária do proletariado francês, afirmou que “o desarmamento dos operários era o primeiro mandamento dos burgueses que se encontravam no timão do Estado. Daí que depois de cada revolução vencida pelos operários, estala uma nova luta, que termina com a derrota destes. (p.3 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx)

Marx demonstrou que o cerne da política contrarrevolucionária de Thiers para conjurar e derrotar a revolução era tentar promover o desarmamento das massas, “Paris armada era o único obstaculo sério a que se alçava no caminho da conspiração contrarrevolucionária”(p.56 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx), reafirmando o princípio da violência revolucionária afirmou: “Paris armada era a revolução armada”.

Lenin ressaltou sua importância para afirmar a guerra civil como caminho para a tomada do poder, ao afirmar que “O proletariado russo recorreu ao mesmo método de luta o qual a Comuna de Paris foi a primeira a utilizar: a guerra civil. (…) o proletariado francês o demonstrou pela primeira vez na Comuna e o proletariado russo deu uma brilhante confirmação5.

A ditadura do proletariado

Em sua genial síntese teórica da experiência da Comuna de Paris, A Guerra Civil na França, Karl Marx considerava que o principal mérito dos comunardos consistia em que haviam tentado, pela primeira vez na história criar um Estado proletário. Todas as revoluções anteriores não haviam ido além do simples rearranjo entre as classes dominantes.

Limitavam-se a mudar uma forma de exploração por outra e, em vez de demolir a velha máquina estatal, restringiam-se a fazê-la passar de umas mãos para outras. Porém, a classe operária, dizia Marx, não poderia simplesmente tomar posse da máquina estatal existente e pô-la em funcionamento para seus próprios objetivos.

Em sua carta a Kugelmann de 12 de abril de 1871, Karl Marx destacou o que a Comuna de Paris havia aportado de novo aos princípios da luta revolucionária: Se olhares o último capítulo de meu O 18 de brumário, constatarás que considero que o próximo experimento da Revolução Francesa consistirá não mais em transferir a maquinaria burocrático-militar de uma mão para outra, como foi feito até então, mas sim em quebrá-la e que esta é a precondição de toda revolução popular efetiva no continente”.

A Comuna não somente demonstrou na prática a justeza da importantíssima tese formulada por Marx em sua obra O 18 Brumário de Luís Bonaparte que afirma a necessidade de destruir previamente a velha máquina estatal, o velho poder, mas predicou a necessidade de construir um novo poder em seu lugar, erguendo uma organização política de novo tipo, chamada a substituir tal máquina.

Engels diz, em sua Introdução, que “a Comuna teve que reconhecer desde o primeiro momento que a classe operária, ao chegar ao Poder, não pode seguir governando com a velha máquina de Estado; que para não perder de novo sua dominação recém conquistada, a classe operária tem que varrer toda a velha máquina repressiva utilizada a então contra ela”. (p.15 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx)

Engels categoricamente sintetizou a experiência da Comuna como a expressão mais avançada da ditadura do proletariado até então:

E eis que o filisteu socialdemocrata foi novamente tomado de um saudável terror com as palavras: ditadura do proletariado. Pois bem, senhores, quereis saber como é esta ditadura? Olhai para a Comuna de Paris. Tal foi a ditadura do proletariado. (p.18 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx)

Marx e Engels consideraram tão importante essa conclusão, que introduziram-na como única modificação essencial no documento programático do proletariado, o Manifesto do Partido Comunista, por meio do prefácio de 1872.

Lenin destaca que estas palavras: destruir a máquina burocrático-militar do Estado”, encerra concisamente o ensinamento fundamental do marxismo no ponto sobre a questão das tarefas da revolução com respeito ao Estado. (Lenin, O Estado e a Revolução)(sublinhado nosso). A Comuna estabeleceu, a necessidade de destruir previamente o velho estado, para construir em seu lugar um novo, que sirva aos seus próprios fins, a ditadura do proletariado.

Marx nos demonstra que “o poder estatal centralizado, com seus órgãos onipresentes: o exército permanente, a polícia, a burocracia, o clero e a magistratura – órgãos criados de acordo com um plano de divisão sistemática e hierárquica de trabalho vem dos tempos da monarquia absoluta e serviu a nascente sociedade burguesa como uma arma poderosa em suas lutas contra o feudalismo(…) por outra parte seu caráter político mudava simultaneamente com as mudanças econômicas operadas na sociedade. Ao passo, que se desenvolviam os progressos da indústria moderna, se ampliava e aprofundava o antagonismo de classe entre capital e trabalho, de força pública organizada para a escravização social, da máquina para o despotismo de classe. Depois de cada revolução que marca um passo adiante na luta de classes, se denuncia com traços cada vez mais destacados o caráter puramente repressivos do Poder de Estado. (p.68 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx) (sublinhado nosso )

Ao analisar o desenvolvimento da luta de classes na França, especialmente desde 1830, Marx desenvolveu os fundamentos da compreensão marxista do Estado. Marx demonstrou que o Estado burguês como resultado de sua própria natureza de classe e do crescente antagonismo de classes na sociedade, desenvolve-se através de um crescente processo de reacionarização, que se manifesta na tendência ao absolutismo do executivo sobre o poder legislativo, como expressão da falência do parlamentarismo burgues (alma da democracia burguesa):

Ante o ameaçante alçamento do proletariado, serviram-se do Poder estatal, sem piedade e com ostentação, como de uma máquina nacional de guerra do capital contra o trabalho. Porém essa cruzada ininterrupta contra as massas produtoras, lhes obrigava, não só a revestir ao Poder Executivo de faculdades de repressão cada vez maiores, mas ao mesmo tempo, despir seu próprio baluarte parlamentar – a Assembleia Nacional – de todos os meios de defesa contra o Poder Executivo, um por um, até que esse, na pessoa de Luis Bonaparte, lhe deu um pontapé”. (p.70 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx) (sublinhado nosso)

Marx nos aponta que o Segundo Império era a única forma de governo no momento em que a burguesia perdeu a faculdade de governar e que a classe operária não a havia adquirido aindae que, portanto, a única forma de oposição consequente ao Segundo Império – enquanto forma degenerada e superior da democracia burguesa – era varrer com a própria dominação de classe e sua velha maquinaria burocrática, ao invés de “decidir uma vez a cada três ou seis anos que membros da classe dominante vão violar o povo no parlamento”, portanto a antítese mais direta do Império era a Comuna”(p.71 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx). Assim, a Comuna não seria um órgão parlamentar, mas uma corporação de trabalho, executiva e legislativa ao mesmo tempo.

Lenin apontou que a Comuna foi um brilhante exemplo de como o proletariado “sabe cumprir unânime as tarefas democráticas que a burguesia só sabia proclamar” (Lenin, Ensinamentos da Comuna). Ao analisar as medidas sociais e econômicas adotadas pelos trabalhadores parisienses em A Guerra Civil na França, Marx destacava a ideia de que, por mais tímidas que houvessem sido essas medidas, sua tendência principal era a expropriação dos expropriadores:

A Comuna era formada por conselheiros municipais, escolhidos por sufrágio universal nos diversos distritos da cidade, responsáveis e com mandatos revogáveis a qualquer momento. A maioria de seus membros era naturalmente formada de operários ou representantes incontestáveis da classe operária. A Comuna devia ser não um corpo parlamentar, mas um órgão de trabalho, Executivo e Legislativo ao mesmo tempo. Em vez de continuar a ser o agente do governo central, a polícia foi imediatamente despojada de seus atributos políticos e convertida em agente da Comuna, responsável e substituível a qualquer momento. O mesmo se fez em relação aos funcionários de todos os outros ramos da administração. Dos membros da Comuna até os postos inferiores, o serviço público tinha de ser remunerado com salários de operários. Os direitos adquiridos e as despesas de representação dos altos dignitários do Estado desapareceram com os próprios altos dignitários.” (A Guerra Civil na França, 1871, Marx).

Marx destacou como a Comuna, ainda que em sua curta duração, pôde tomar medidas importantes: tomou medidas para “destruir a força espiritual da repressão”, o “poder dos padres”, decretando a separação da Igreja e do Estado e a expropriação de todas as Igrejas como corporações possuidoras. Todas as instituições de ensino foram abertas gratuitamente ao povo e ao mesmo tempo emancipadas de toda intromissão da Igreja. Os funcionários do judiciário deviam perder “aquela fingida independência” e assim como outros funcionários públicos deveriam ser funcionários eletivos, responsáveis e revogáveis. Entretanto, a Comuna, por sua curta duração e pelas insuficiências de sua direção, não pôde desenvolver mais a forma que deveria se revestir essa nova forma de Estado e governo, tarefa que somente pôde cumprir-se com a Grande Revolução Socialista de Outubro.

Como resultado da experiência da Comuna de Paris a doutrina científica do proletariado foi enriquecida com a lição de que a máquina do Estado deve ser destruída, com todos os seus apêndices e, em seu lugar, erigida uma nova, a ditadura proletariado. E veio para primeiro plano a questão teórica de que não basta somente tomar o Poder, mas trata-se de destruir toda a velha mauinaria burocrática-militar, erigir uma nova organização estatal correspondente ao novo Poder e, sobretudo mantê-lo e consolidá-lo.

Lições históricas para o proletariado

No momento em que a Comuna de Paris ainda estava lutando Marx soube ver sua importância histórica, expondo seus erros fundamentais e tirando conclusões de suma transcendência para a teoria e tática revolucionária do proletariado.

Sobretudo a Comuna confirma a conclusão de que em toda a experiência histórica das lutas do proletariado e das massas populares, para o triunfo ou derrota da revolução proletária, o fator decisivo tem sido o Partido Comunista e o a condição de que nele prevaleça uma linha ideológico-política correta ou errônea.

Karl Marx nos mostrou que foi, sobretudo na ausência do partido revolucionário único do proletariado e de sua direção absoluta, assim como que na falta de compreensão da necessária ditadura de classe revolucionária, em todos os terrenos, sobre a burguesia e demais classes exploradoras derrubadas do Poder, que se encontravam as causas principais de sua derrota.

Durante sua troca de correspondências com Kugelmann, em 12 de abril de 1871, Marx apontou os erros fatais dos comunardos: 1) Devia-se haver empreendido imediatamente a ofensiva contra Versalhes, enquanto o inimigo estava em pânico e não havia tido tempo de concentrar suas forças. Essa ocasião deixou-se escapar; 2) O Comitê Central renunciou rápido demais aos seus poderes para ceder lugar à Comuna.

Marx apontou, um erro decisivo do Comitê Central, precisamente na sua repugnância em aceitar a Guerra Civil (…) em não marchar imediatamente sobre Versalhes”, o que significava desenvolver decididamente a Guerra Civil revolucionária e levar a revolução a todo país. Ao invés de coroar sua vitória em Paris, desenvolvendo uma resoluta ofensiva sobre Versalhes a Comuna demorou, dando tempo para que Versalhes se preparasse, reunindo forças para a ofensiva sangrenta de maio.

Engels afirmou que as jornadas de junho de 1848, quando depois da derrota do proletariado a burguesia havia promovido um odioso banho de sangue contra prisioneiros indefesos, não tinha sido mais do que uma “brincadeira de crianças”, comparado ao frenesi sangrento da burguesia em 1871, que levou ao fuzilamento de mais de 30.000 pessoas. Esse terrível banho de sangue fizera com que o proletariado, que até então só havia conhecido a burguesia como força revolucionária, a conhecesse pela primeira vez unida em sua sanha reacionária na contrarrevolução.

O fato sem precedente, de que depois da guerra mais tremenda dos tempos modernos, o exército vencedor e o vencido confraternizem na matança comum do proletariado, não representa, como crê Bismarck, o aplastamento definitivo da nova sociedade que avança, mas o desmoronamento completo da sociedade burguesa” (p.103 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx)

Lenin, sintetizando Marx, nos apontou dois erros fundamentais no balanço da Comuna. O primeiro deles, de caráter político, é que o proletariado se deteve “na metade do caminho”, não iniciando a “expropriação dos expropriadores”, não se apropriou de instituições como por exemplo o Banco da França, que incrivelmente não foi tocado. A segunda de caráter ideológico: a magnanimidade do proletariado ante o inimigo e a indulgência ante suas ações criminosas.

Enquanto Versalhes promovia o terror branco contra a Comuna, com o assassinato de membros Guarda Nacional desarmados, fuzilamentos de prisioneiros de guerra e civis desarmados, o Comitê Central vacilava em responder medida por medida, em opor o “terror vermelho” ao “terror branco”: Esta indulgência do Comitê Central, essa magnanimidade dos operários armados que contrastavam tão abertamente com os hábitos do ‘Partido da Ordem’”. (p.62 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx)

Somente no dia 7 de abril, quando a Comuna publicou decreto ordenando represálias e declarando que era “seu dever para proteger Paris contra as façanhas canibalescas dos bandidos de Versalhes, exigindo olho por olho, dente por dente”, que os fuzilamentos de prisioneiros cessaram temporariamente. Todavia, quando Versalhes constatou que o decreto era apenas uma “ameaça inócua”, e que “se respeitava a vida até de seus gendarmes espiões detidos em Paris sob o disfarce de guardas nacionais e até aos sergents de ville detidos com bombas incendiárias, então os fuzilamentos de prisioneiros foram retomados e prosseguiram até o final”. (p.66 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx).

Com esses preciosos ensinamentos Marx nos aportou uma lição de grande importância e transcendência para o proletariado internacional: não ser magnânimos com o inimigo de classe, não ser indulgentes com a contrarrevolução. (sublinhado nosso)

Afirmação definitiva do marxismo no movimento operário

A Guerra Civil na França, importantíssimo documento político da Internacional, muniu o proletariado internacional com a experiência da Comuna e foi uma brilhante demonstração da vitória ideológica do marxismo sobre todas as variantes do socialismo pré-marxista. “No final do primeiro período (1848-1871), período de tempestades e revoluções, morre (grifo do autor) o socialismo pré-marxista.”. (Lenin, Vicissitudes históricas da doutrina de Karl Marx). Essa genial síntese da experiência da Comuna teve particular importância na luta contra os ideólogos da pequena burguesia que negavam a necessidade da ditadura do proletariado.

Conforme ressaltou Lenin em O Estado e a Revolução: “Muito embora o movimento revolucionário das massas falhasse ao seu objetivo, Marx viu nele uma experiência histórica de enorme importância, um passo para a frente na revolução proletária universal, uma tentativa prática mais importante do que centenas de programas e argumentos. Analisar essa experiência, colher nela lições de tática e submeter à prova a sua teoria, eis a tarefa que Marx se impôs.”

Na Conferência de Londres de 1871, referindo-se à Comuna de Paris, Marx e Engels demonstraram o quão funesto seria renunciar à luta política e fizeram ver a necessidade de formar um partido operário revolucionário que seria a força dirigente do proletariado em sua luta pelo socialismo. Como resultado da Conferência, essa aprovou uma resolução sobre a luta política da classe operária, sublinhando que o proletariado não poderia atuar como classe contra o poder coletivo das classes possuidoras se não organizasse seu próprio partido político, necessário para assegurar o triunfo da revolução social e alcançar sua meta: a supressão das classes.

Contrapondo às maquinações que os anarquistas faziam para minar a disciplina da Internacional e de converter o Conselho Geral em um simples organismo de caráter informativo, a Conferência deixou bem claro em várias resoluções que o Conselho Geral era, mais do que nunca, o centro ideológico, o Estado Maior do proletariado internacional.

Foi tomando os ensinamentos de Marx sobre a Comuna de Paris que o proletariado russo, sob a direção do Partido Bolchevique e a chefatura de Lenin, triunfou com a Grande Revolução Socialista de Outubro de 1917, construindo o Poder Soviético, como verdadeiro continuador da Comuna. Os sovietes, foram a forma superior de organização, através da qual se ergueu a ditadura do proletariado, baseada na aliança operário-camponesa, unindo as massas trabalhadoras e exploradas mais atrasadas e dispersas, com as quais se assegurou a passagem ininterrupta da revolução democrático-burguesa para a revolução socialista.

Quando as massas, guiadas pelo Presidente Mao Tsetung e sob a direção do Partido Comunista tomaram o poder na China, foi a experiência da Comuna tal qual sintetizada por Marx e desenvolvida por Lenin, na forma dos Sovietes que serviu de base para a estruturação da nova sociedade na República Popular da China. Conforme afirmou o Presidente Mao em novembro de 1958:

Qual é a natureza da comuna popular? Esta é a unidade de base da estrutura social chinesa que reúne operários, camponeses, soldados, intelectuais e comerciantes. Atualmente constitui a organização administrativa de base. A comuna popular é a melhor forma de organização para a realização dos dois passos: o passo do socialismo de hoje ao sistema geral da propriedade de todo o povo, e o passo do sistema geral da propriedade de todo o povo para o comunismo. Depois desses passos, a comuna popular constituirá a estrutura de base da sociedade comunista.”

E, mais tarde, durante a Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP), o grande e mais alto marco da revolução proletária mundial, foram os Comitês Revolucionários Três em Um, os novos órgãos de Poder que constituíram-se como os continuadores da Comuna.

Originados da tenaz luta impulsionada e dirigida pelo Presidente Mao Tsetung contra a restauração capitalista, os Comitês Revolucionários Três em Um foram um imprescindível instrumento da GRCP, através do qual milhões de massas tomaram em suas mãos os assuntos do Estado, os problemas políticos, militares, culturais, relativos à produção, etc., e derrubaram os representantes da burguesia que haviam se incrustados no Partido, no Exército Popular de Libertação e no Estado, impedindo por 10 anos a restauração capitalista na China.

Conforme afirmou Lenin: “A causa da Comuna é a causa da revolução social, é a causa da completa emancipação política e econômica dos trabalhadores, é a causa do proletariado mundial. E nesse sentido é imortal.” Por isso, ao encerrar este artigo, reafirmamos as palavras proféticas de Marx ao concluir A Guerra Civil na França:

A Paris dos operários, com sua Comuna, será eternamente enaltecida como arauto glorioso de uma nova sociedade. Seus mártires têm seu santuário no coração da classe operária”. (p.105 - A Guerra Civil na França, 1871, Marx)



Notas:
1 – Proudhonistas: nome dado aos seguidores do ideólogo pequeno-burguês Pierre Joseph Proudhon. Não compreendiam o papel histórico e o significado do proletariado, negavam a luta de classes, a revolução proletária, a ditadura do proletariado e, como anarquistas, negavam também, a necessidade do Estado. A luta determinada de Karl Marx e F. Engels e seus partidários contra o proudhonismo terminou com a completa vitória do marxismo na I Internacional.
2 – Blanquistas: adeptos da corrente do movimento socialista francês dirigida por Louis-Auguste Blanqui (1805-1881), representante do comunismo utópico. Os blanquistas negavam a luta de classes e acreditavam que a "humanidade se libertaria da escravatura assalariada graças à conspiração de uma pequena minoria de intelectuais”, conforme bem caracterizado por Lenin. Substituíram a atividade do partido revolucionário pela de um grupo secreto de conspiradores, não tinham em conta a situação concreta necessária para a vitória da insurreição e desprezavam as ligações com as massas.

Referências:
* As notas assinaladas com o número de página correspondem a edição em língua espanhola La guerra civil em Francia, publicada por Ediciones Lenguas Estrangeras, Pekin.
1 - K. Marx, F. Engels, Cartas Escolhidas, p. 263, Ed. 1953.
2 – Lenin, V.I., O Estado e a Revolução, Obras Escolhidas, Lisboa/Moscou, Editorial Avante/Edições Progresso, t. 2, 1977.
4- V. I. Lenin, Obras, t. 18, p. 545, 4ª ed. em russo.
5 - K. Marx, A Guerra Civil em França, Editorial Avante, 1984
6 – E. Stepanova, Karl Marx – Esboço biográfico, Edições em Línguas Estrangeiras, Moscou, 1954.
1A Coluna Vendome: Monumento erguido entre 1806-1810 na praça Vendome em Paris, para comemorar a vitória de Napoleão I em 1805. O Monumento foi demolido em 16 de maio de 1871 por decisão da Comuna de Paris.
2: O presidente Gonzalo nos planteia que o processo da revolução mundial de varrimento do imperialismo e a reação da face da terra há três momentos: 1º Defensiva estratégica; 2º Equilíbrio estratégico; e 3º Ofensiva estratégica da revolução mundial. Isto o faz, aplicando a lei da contradição à revolução, pois a contradição rege tudo e toda contradição tem dois aspectos em luta,e neste caso revolução e contrarrevolução. A defensiva estratégica da revolução mundial oposta a ofensiva da contrarrevolução arranca desde de 1871 com a Comuna de Paris e termina na II Guerra Mundial; o equilíbrio estratégico se dá entorno do triunfo da revolução na China, a Grande Revolução Cultural Proletária e o desenvolvimento do poderoso movimento de libertação; posteriormente a revolução entra na ofensiva estratégica, esse momento pode ser situado em torno de 1980, em que vemos os sinais com a Guerra Irã-Iraque, Afeganistão, Nicarágua, o início da guerra popular no Peru, época inscrita nos “próximos 50 a 100 anos”, daí para adiante se desenvolverá a contradição entre capitalismo e socialismo cuja solução nos levará ao comunismo (Partido Comunista do Peru Primeiro Congresso- Linha Internacional. 1988)
3Carta de Marx a Kugelmann de 17 de abril de 1871.
4Mao Tsetung. O Livro Vermelho. Edições Seara Vermelha, 2016.
5Lenin. Ensinamentos da Comuna.